Cartas sem destino

.posts recentes

. Braços amigos

. Promessas quebradas

. Dar uma chance ao amor .....

. O coração não dói ...

. Amizades, amores e desejo...

. Amor Eterno...

. Um jantar á luz das velas

. Demónio de Saias

. Um amor além do visivel ....

. A curiosidade mata ?

.arquivos

. Março 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

Braços amigos

Foto retirada de o-voluntariado.html" target=_top>apfp.blogspot.com/2004/12/o-voluntariado.html

 

Isabella e Pilar conheciam muito bem o trabalho de várias instituições que promoviam voluntariado no local onde trabalhavam. Por vezes, era dedicação dos seus voluntários que tornavam os seus serviços mais humanos, alegres e conferiam um sorriso quando as coisas corriam menos bem, quando a dor era maior que a alegria, quando a morte teimava em entrar pela porta ou pela janela do serviço. Sabiam que a vida de muitos estava por um fio, que se vivia um dia de cada vez como se fosse o último, sem passado nem futuro, apenas o presente ...

Pilar nunca mais esquecerá uma senhora já de idade que estava saturada de estar em casa sem nada fazer e decidiu ainda estar a tempo de ajudar o próximo. Todos os dias às sete da manhã, lá estava ela a distribuir leite com café, chá e bolachas aos que aguardavam por uma consulta, a dar um sorriso, um carinho, uma palavra amiga a quem necessitava. A "avozinha" como a tratava carinhosamente trazia-lhe sempre  uns bolinhos de canela que só ela sabia fazer. Quando uma manhã não apareceu soube que algo tinha acontecido menos bom ... naquela noite um Anjo tinha-a levado para junto dele.

Esses braços amigos que iam passando pelo serviço, braços jovens, braços mais experientes ou braços que tinham passado pela doença e dado a volta à vida, faziam do seu serviço uma casa de família, um pequeno lar branco em que a amizade, o carinho e a ternura tornavam a dor mais doce ...

Precisamos sempre de um braço amigo, na alegria e na dor, não é verdade?

 

publicado por Ennoea às 17:34
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 18 de Julho de 2008

Promessas quebradas

 

O Triste Outono de Tatiana...

 

(Foto retirada da net)

 

 

Encostada ao peito de Miguel, Isabella mordeu o lábio e uma lágrima rolou por sua face.

- Sou uma traidora ... disse para si mesma!

 

Tinha jurado a Gabriel, ama-lo enquanto vivesse e além da morte, no entanto...não resistiu a Miguel, por ele, quebrou a sua promessa, sentia raiva de si mesma, por se ter entregue a este homem que mal conhecia, mas que desejava desde o primeiro instante em que o viu...

Ao mesmo tempo, sentia uma leve sensação de felicidade, voltou a ser amada e desejada...por este Anjo Miguel...

Ele entendia a sua dor, mesmo sem ela falar, lia a sua alma, percebia o que ela escondia no mais ínfimo recanto do seu ser...

A sua mente estava completamente atordoada e o coração indeciso sobre o caminho a escolher...

Se Gabriel não tivesse desaparecido, seria tudo bem mais fácil...

E se ele voltasse, como lhe explicaria que o seu coração estava dividido, entre dois homens?

E ela, como reagiria com a justificação de Gabriel, por não ter aparecido na igreja no dia do casamento?Teria ele outra mulher?

- Não ... jamais ... ele seria incapaz - afirmou a si mesma!

 

publicado por Raquel às 16:09
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Julho de 2008

Dar uma chance ao amor ...

Foto retirada de http://oblogdalibelua.blogs.sapo.pt

 

 

Enquanto Pilar andava nestes pensamentos existenciais, dúvidas amorosas e receio de dar um passo maior em relação à sua vida sentimental, Isabella tinha sido apanhada por um Cupido apenas em oito dias ...

Tinha jurado a si mesma, depois do desaparecimento de Gabriel nunca mais se envolver com ninguém, ainda amava o seu noivo desaparecido, no fundo da sua alma existia uma dor enorme, um vazio inexplicável ... mas às vezes, a vida gosta de brincar connosco ...

Acerca de um mês tinha chegado um colega novo ao serviço, tinha vindo destacado do Porto, chamava-se Miguel ... era moreno, olhos verdes, cabelo preto, tinha sido campeão nacional de natação e ... tinha um corpo fabuloso ... Isabella assim que o vira tinha dado um enorme suspiro e comentou com Pilar:

- Já reparaste no nosso novo colega, é cá um borracho!

- Bem, amiga, acho que estás apanhadinha! - respondeu Pilar, a rir.

A verdade é que passado quinze dias, ele convidou-a ir  passar uma tarde com ele a Sesimbra, passear à beira-mar, conversar um pouco para se conhecerem melhor ... Isabella ficou indecisa, mas Pilar insistiu tanto com ela que acabou por aceitar.

A tarde foi fabulosa e estendeu-se até de madrugada. Incluiu um jantar à beira-mar, um passeio pela Arrábida, um rol de confissões ... Isabella descobriu em Miguel tanta coisa em comum que ficou fascinada ... dizia a brincar que tinha sido visitada por outro anjo.

Anjo ou homem ... a verdade é que passados oito dias já Isabella conhecia a cama de Miguel ... bem a cama e muito mais ...

Quando ela colocava um olhar vazio , no abstracto ele sussurava-lhe ao ouvido:

- Todo o ser humano deve dar uma chance ao amor ... pelo menos mais uma vez ...

publicado por Ennoea às 22:18
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 16 de Julho de 2008

O coração não dói ...

 Can U See Me?

Foto retirada de  http://olhares.aeiou.pt

 

 Pilar andou vários dias angustiada ... com uma sensação que não conseguia descrever ... por um lado era o passado que tinha vindo ao de cima; por outro, aquele jantar tinha mexido com ela. Pensava que todos os momentos que tinha vivido no Campo de Refugiados com João tinham ficado bem arrumados na sua memória, julgou que aquele vulcão emocional que tinha despoletado em Àfrica tinha sido a aventura, a partilha, a entreajuda, o cheiro a terra e a mato, o despertar dos sentidos em terras africanas, a solidão, a fragilidade da condição humana ... quando estava desesperada João tinha sempre um ombro amigo para a acolher, um colo para lhe acalmar as lágrimas, um carinho para a fazer sorrir ... e no fundo, ela tinha-se convencido que era apenas todo o clima daquela missão que tinha feito que os laços deles tivessem ficado tão próximos.

Mas agora tinha constatado que afinal não eram apenas laços, que não era apenas o resultado da solidão, da fragilidade de ambos, mas sim um sentimento mais profundo, uma falta em si mesma que não conseguia explicar ... a sua alma sentia-se só, apesar das atenções redobradas de Isabella que já tinha percebido o caos que a mente e o coração da amiga estavam, o seu coração doía ... mas a sua mãe sempre lhe dissera que o coração não dói ...

Estava apaixonada, mas não poderia estar ... lutava entre a razão e a emoção ... sabia que João era a sua alma gêmea, o homem da sua vida ... mas ele já era de alguém ... e era um pai de familia ... e ela respeitava a familia, os filhos acima de tudo ... destruir um lar jamais ... nem que tivesse de sacrificar a sua própria felicidade!

 

 

 

 

 

publicado por Ennoea às 10:01
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 14 de Julho de 2008

Amizades, amores e desejos proibidos

 

(Retirado de http://yohanandreams.blogs.sapo.pt)

 

 

Pilar ao ler aquela carta apercebeu-se que na vida há muitas coisas que gostariamos de ver concretizadas, que existem amores proibidos, pelos homens, pelo destino, por Deus ... ou talvez pelos próprios intervenientes que não querem  dar ouvidos ao seu coração, não querem  arriscar em demasia, lançar-se no desconhecido porque apesar de  não estarem  felizes sabem com o que podem contar todos os dias e, afinal de contas, há uma certa idade em que se mede ponderadamente os riscos ...não como na adolescência em queo amor e uma cabana , basta ...

Dantes era bem diferente ... ou eram as familias, as obrigações religiosas, as convicções, os tabus ... mas hoje também não seria igual?

Quando era miúda tinha sentido na pele o sentido de uma amizade proibida ... muito diferente da amizade e da ligação que tinha com Isabella. Tinham vindo de uma vila pequena em que todos se conheciam e que a ideia de que as famílias mais ricas não se deviam misturar com as mais pobres ou menos fortunadas ... infelizmente frente à casa dos pais de Pilar existia uma enorme casarão de grandes senhores, os quais viviam e andavam constantemente entre a capital, as fazendas em Àfrica, fábricas no Brasil ... mas que iam de vez em quando à pequena  vilazita  ... essa família tinha um filho da idade da Pilar que estudava no Colégio Militar, mas desde o primeiro dia que a viu ficou encantado, tinham ambos oito anos, uma amizade simples e duradora, daqueles que não se consegue explicar foi crescendo até que chegaram à adolescência e a amizade foi proibida ... os pais de Francisco, assim se chamava o seu amigo, achavam que Pilar poderia aproveitar-se dele e da sua situação económica ... ameaçaram Pilar e seus pais, tentaram suborná-los e o seu amigo nunca mais voltou à vila ... às vezes tinha saudades dos seus risos, das suas correrias, do cheiro a campo, quando ele trazia uma simples papoila para lhe oferecer ...

Agora vivia novamente outro momento de proibições ... ai se ela conseguisse que tudo à sua volta desaparecesse ...

publicado por Ennoea às 23:03
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 10 de Julho de 2008

Amor Eterno...

 

 

 

(imagem retirada da net)

 

Durante o período de tempo, que passou desde o jantar até a abertura de mais uma das cartas, Pilar andava totalmente absorvida nos seus pensamentos.
Isabella por seu lado andava com uma nova esperança, quem sabe Gabriel ainda estivesse vivo…
Nessa manhã de sabádo tomavam o café sentadas na varanda, Pilar desfolhava o jornal, procurando as palavras cruzadas.
Isabella segurava numa torrada e com a outra mão segurava numa das cartas, que tinha retirado da caixa.
- Abre tu, Pilar.
- Ora vamos ver…Humm, um amor proibido…. Disse Pilar.
 
 
Querida Matilde:
 
Da janela do meu quarto, de onde tantas vezes te observei a passear por este jardim imenso, escrevo-te esta carta.
Lá ao longe, onde nos conhecemos e beijamos pela primeira vez, o nosso lago, mantém o mesmo ar fresco e água límpida de sempre, assim como me recordo do teu corpo, onde tantas vezes matei a minha sede.
Cada árvore que o rodeia de braços estendidos, fazem-me lembrar de ti, quando corrias para te aconchegares no meu colo, e eu de braços abertos te recebia.
Minha querida, não suporto mais esta tormenta, chegou a hora de partir, de me afastar deste mundo.
O meu coração chora profundamente esta partida, por ti, por mim…
A minha vocação chama-me, e por mais que te ame, para mim, ser-me –ia impossível viver, se não cumprisse os desígnios para que nasci e vim a este mundo…
Levarei para sempre comigo, o cheiro dos campos nos teus cabelos, o cheiro da tempestade de verão no teu corpo, o cheiro de amoras silvestres nos teus lábios.
Serás para sempre a minha amada, e um dia quando estivermos noutro lugar, onde não há pecado, ainda me recordarei de ti…
Sou teu… para toda a eternidade…
 
J.R.

 

publicado por Raquel às 05:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 8 de Julho de 2008

Um jantar á luz das velas

 

(Imagem retirada da net)

 

O jantar decorreu num ambiente extremamente romântico, nada foi deixado ao acaso, desde a comida afrodisíaca até ao próprio ambiente na sala.  

A sala era iluminada simplesmente por velas, elegantemente dispostas por cima de castiçais antigos...

As sombras desenhavam-se por trás de Pilar e João.

Os olhos de ambos encontravam-se constantemente, não escondendo o desejo que sentiam um pelo outro.

Pilar estava indecisa com o rumo que toda esta situação poderia tomar.

Falaram pouco ao jantar, deixaram que o silêncio transcrevesse o que pensavam.

Á saída, João segurou as mãos dela entre as suas, Pilar deu um passo atrás, como se fosse fugir do beijo que ele se preparava para lhe roubar.

Beijaram-se apaixonadamente e sem querer Pilar sentiu-se embarcar numa viagem proibida. 

publicado por Raquel às 17:30
link do post | comentar | favorito

Demónio de Saias

 

la vie est belle.....

 

 (imagem retirada da net)

 

Os dias que se seguiram, foram vividos numa ânsia constante por Pilar...

 

- Tenho que me despachar, o João vem buscar-me ás 20h, vamos jantar fora. – Avisou Pilar, agitada e indecisa no que iria vestir nessa noite…
- Hummm, estou a ver… quer dizer que hoje não tenho companhia. - Respondeu Isabella, piscando o olho á amiga.
 Pilar não aceitava a ideia de estar rendida definitivamente a um homem...
Adorava flirtar com homens atraentes e que se faziam de difíceis, só para ter o prazer de os conquistar…era eximia na arte da sedução.
Quando o conseguia… deitava-os para trás das costas e seguia para a nova conquista.
Parecia reservada, mas quando queria tornava-se um demónio de saias.
Desde a escola que era assim, quando se recordavam desses tempos as duas, riam alto e bom som…
 
Ás 20h em ponto, chegou João…Isabella ouviu a campainha tocar e apressou-se a abrir a porta..
- Olá – exclamou ele..
- Olá João, sempre pontual..
Pilar dirigiu-se á sala, escolhera um vestido deslumbrante, que realçava ainda mais as suas formas irresistíveis…
- Estás linda…sussurrou Isabella, enquanto se dirigia para a cozinha…
João olhou-a e ficou embevecido… 

 

publicado por Raquel às 03:30
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Julho de 2008

Um amor além do visivel ...

 

 

 

Amor.

 

(Imagem retirada da net)

  

 

Isabella recordou com muita emoção uma conversa que aconteceu entre ela e Gabriel, quando começaram a planear a sua vida em comum...Planearam tanta coisa e nada aconteceu...

Queria tanto ter uma família com Gabriel, serem felizes...viverem um para o outro.

 

Pilar dando-se conta, interrompeu-lhe os pensamentos e informou-a:

 

- Sabes quem me telefonou? - disse sorrindo e tentando desanuviar o ambiente...

- Não... - respondeu Isabella fixando o olhar no infinito.

 

- O João , lembraste dele?

 

Isabella sorriu e acenou com a cabeça, dando sinal que sim.

 

João era um médico que Pilar conhecera quando estivera no campo de refugiados.

Desde essa altura que sentia um calafrio na espinha sempre que falava dele, era um homem charmoso e muito corajoso capaz de enfrentar tudo e todos...

Pilar amava-o como nunca amou ninguém, sentia que eram almas gémeas... havia um enamoramento espiritual entre ambos, algo mais que carnal.

Mas por vezes questionava-se se seria certo esse amor, uma vez que ele era comprometido, pelo menos era o que sabia...

 

 

publicado por Raquel às 15:30
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Julho de 2008

A curiosidade mata ?

 

 Seu olhar...

Foto retirada da net

 

Após essas recordações penosas para ambas, Pilar e Isabella dedicaram-se intensamente à sua profissão, era uma altura complicada  em que era necessários turnos mais intensos. Ambas andavam cansadas, extenuadas e ocupadas com uma formação que tinham de fazer , nem da tal caixa que continha vidas e vidas, passados, memórias, dores e alegrias , escondida no roupeiro ...

Assim, passarem quase duas semanas ... até que num feriado em que ambas se encontravam em casa à hora do pequeno-almoço Isabella se lembrou: 

- Amiga, acho que nos andamos a esquecer  de uma coisa?

- O que? - respondeu Pilar, que já nem se lembrava das cartas.

- Olha, vamos terminar de comer os cereais e depois vamos ler uma cartita, antes de irmos às compras... o que achas?- sugeriu Isabella.

- Pode ser ... tu e a tua curiosidade .... - disse Pilar.

Isabella despejou a tigela de cereais num instante e quando Pilar deu por ela já estava com a cara enfiada no dentro da caixa. Desde miúda sempre fora mais curiosa do que ela. Pilar tinha medo de tudo o que fosse novo ... lugares novos, amigos novos, desportos novos ... Isabella apesar de às vezes parecer mais frágil era uma curiosa nata ... metia o nariz em tudo o que era sítio, tinha uma lata enorme em fazer as perguntas mais absurdas ... mas verdade seja dita a curiosidade e a intrepidez de Isabella tinham resolvido alguns problemas que elas tinham passado.

Quando terminaram o curso decidiram fazer o Inter Rail ... mas para azar de ambas foram assaltadas em Berlim e Pilar entrou em pânico ... Isabella sem saber falar alemão, meteu conversa com uma senhora alemã que falava castelhano por acaso e tinha um amigo português. O senhor Santos, motorista de táxi, levou-as à embaixada , emprestou-lhes dinheiro e alojamento por duas noites em sua casa. A dona Maria das Dores, sua mulher, recebeu-as como filhas. Pilar morria de medo, mas Isabella só lhe dizia para não ter medo pois via-se que eram boas pessoas.

Por isso, Pilar já estava habituada a esta curiosidade de Isabella.

Lá apareceu Isabella com uma cartita na mão e o seu sorriso maroto ... gritando:

- Temos aqui uma ... nem vais acreditar ... é de uma mãe adolescente solteira ...

publicado por Ennoea às 21:11
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
21
22
23
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds